Blog

Quanto mais socialista for um país, mais corrupto ele será

Quanto mais socialista for um país, mais corrupto ele será

Quanto mais socialista for um país, mais corrupto ele será. Para quem compreende minimamente economia, e, principalmente, as mortificantes desinências da natureza humana, uma constatação dessas soará quase óbvia. Socialismo e corrupção sempre andaram juntos, sempre andarão juntos, e continuarão a andar juntos enquanto esta depravada praga satânica existir. Como o socialismo defende concentração de poder e riquezas no estado, evidentemente, será consolidada uma estrutura viável para a prática da corrupção. Existirão muitas riquezas à disposição para os burocratas estatais espoliarem. E é por isso que existe exacerbada corrupção no Brasil. O estado é muito grande, é centralizador, e concentra uma quantidade inefável de riquezas sobre si.   

Os seres humanos são impreterivelmente maléficos, mas o marxismo engana deliberadamente as pessoas ensinando exatamente o contrário. Os postulados marxistas defendem que os seres humanos são naturalmente benévolos, o que não passa de uma grande falácia (por isso defendem criminosos de forma tão contumaz, e negam completamente o conceito de responsabilidade individual — quando um indivíduo comete um crime ou um delito, a culpa será da "sociedade", mas não do indivíduo que cometeu a contravenção). Se pararmos para racioncinar um pouco, no entanto, veremos que não é sem motivos ou razão que temos tantas leis — ainda que em sua maioria sejam paliativos ineficientes — que, na verdade, são proteção jurídica criada para proteger pessoas de outros pessoas. Elas são necessárias, porque os seres humanos não são naturalmente bons. 

Não obstante, o socialismo incentiva a ignorância, porque uma população ignorante é fácil de dominar. E socialistas, por sua vez, são naturalmente ignorantes em uma porção de coisas, principalmente sobre economia, natureza humana e a funcionalidade logística do estado. 

Na teoria do cálculo econômico racional, o economista austríaco Ludwig von Mises elaborou de forma científica e matemática — impreterivelmente correta, em detalhes — as principais razões pelas quais o socialismo é completamente inviável na prática.  

Com relação ao estado, seria totalmente dispensável explicar para pessoas inteligentes porque o dogma do planejamento central nunca funcionou e jamais irá funcionar. Os seres humanos podem ser facilmente corrompidos, e o poder absoluto corrompe absolutamente. Seria de uma grande ingenuidade pensar que políticos são seres grandiosos, sacrossantos, altruístas e iluminados, que, com muita disposição e abnegação, se dedicarão integralmente à satisfação das necessidades da população. 

O que ocorrerá será sempre o contrário, porque a natureza humana simplesmente não é solícita, benévola ou correta. Socialistas praticam a idealização da natureza humana, ao invés de aceitá-la como ela realmente é: imperfeita, deficiente e repleta de falhas. Quando tentamos explicar a eles porque um estado grande e centralizador naturalmente não irá funcionar, eles se refugiam em uma brutal e dilacerante negação das evidências, dos fatos e dos aspectos negativos inerentemente relacionados a natureza humana. Um estado deve ser pequeno, porque, desta maneira, a população terá mais liberdade para buscar a sua própria felicidade e senso de realização pessoal. e a possibilidade de organizações criminosas tomarem conta do estado, e espoliarem-no de acordo com os seus interesses, ainda que exista, caso ocorra apresentará danos infinitamente menores. Um estado grande e intervencionista naturalmente irá comprometer o desenvolvimento da sociedade, e os burocratas que dirigem a máquina pública o farão condicionados aos seus próprios intereses; não irão se submeter aos interesses da maioria, ao contrário do que os poéticos idealistas da militância progressista pensam.   

Os seres humanos são naturalmente deficientes e imperfeitos, e por mais que a esquerda não queria aceitar que isto vale também para a classe política, a verdade é que dirigentes governamentais são seres humanos ordinários e comuns como todos os demais. Compartilharão das mesmas fraquezas e vulnerabilidades, e portanto, tenderão a usar os recursos logísticos, financeiros e materiais do estado em benefício próprio, e em benefício de seus associados, e não em benefício da população. Foi isso que o PT fez durante sua sórdida, depravada e estelionatária gestão governamental, assim como a elite política bolivariana associada a Hugo Chávez na Venezuela. 

Os seres humanos não são heróicos guardiões incorruptíveis da benevolência e da moralidade. Muito pelo contrário. Ser obtuso para este fato irá apenas contribuir para gerar ainda mais sofrimento, e perpetuar os desastres socialistas que infelizmente se multiplicaram pelo mundo com mais frequência do que deveriam. A intransigência do ser humano em negar o óbvio, por insistir em amar mais uma ideologia do que os próprios seres humanos é algo tão sórdido quanto deplorável, e as consequências de tal intransigência se refletem na destruição de países que desafortunadamente tem de viver sob as corrosivas e mortíferas garras do socialismo.

Eu, no entanto, jamais idealizei a natureza humana. Sei muito bem o que devo esperar quando a questão são meus semelhantes, especialmente quando são socialistas. Intransigência pura e insistência em ideias arcaias, obsoletas e retrógradas, que geraram apenas dor, sofrimento, miséria e comiseração, em não poucos países ao redor do mundo.     

Compartilhe esse texto:

Sobre Mim

Sobre Mim

O Ultraconservador é um reacionário cristão antissocialista, anticomunista, antimarxista e antiestatista. Um indivíduo sem medo do establishment socialdemocrata ditatorial, corrosivo e totalitário. É colaborador de periódicos (jornais e revistas) e portais eletrônicos do Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo.