Blog

PT no poder levará o Brasil a uma guerra civil

PT no poder levará o Brasil a uma guerra civil

Como o criminoso chefe de quadrilha líder da ORCRIM Luís Inácio teve sua candidatura impugnada, o poste Fernando Haddad foi escolhido para substituí-lo na corrida presidencial. Se vivêssemos em um país sério, onde fossem abundantes qualidades fundamentais como moralidade e credibilidade, o registro partidário do PT teria sido cassado e a organização criminosa teria sido extinta. Como vivemos no Brasil, no entanto — país de criminosos corruptos, gerenciado por criminosos corruptos, para atender aos interesses de uma oligarquia corrupta — o partido continua existindo, e pode até mesmo disputar com um candidato o cargo político mais relevante da nação. Na verdade, quem mantém algum resquício de aplicação da justiça neste país é a PGR, o Ministério Público, a Polícia Federal e a República de Curitiba. Se não fosse por estas instituições, já estaríamos vivendo um panorama similar ao da China totalitária, ou da autocracia russa, onde absolutamente nenhum órgão governamental ousa divergir dos psicopatas que estão no poder.  

Acontece que o brasileiro comum quer mudanças. A população está completamente saturada da criminalidade política institucionalizada, e dos psicopatas populistas que mentem, ludibriam e enganam a sociedade, para conquistar o poder. De maneira que, se o PT forçar a barra, o Brasil irá, sem dúvida nenhuma, descarrilhar para uma guerra civil. Os brasileiros não querem a maior organização criminosa da história de volta no controle da nação.

Como se isso fosse pouco, Fernando Haddad — o fantoche de Lula —, será indiciado pela Polícia Federal por caixa 2 em campanha. Ora, para quem não entendeu a lógica do esquema, ela é perfeitamente plausível: para uma organização criminosa como o PT, um corrupto só pode ser substituído por outro corrupto. Tudo para dar continuidade a um depravado e insidioso projeto de poder, no qual a elite partidária pretende se perpetuar, para impor através de leis e do braço armado do estado sua sórdida ideologia sobre toda a população.

Agora que o brasileiro despertou, no entanto, ele não aceitará passivamente que a mais abominável de todas as organizações criminosas que existem em território nacional assuma novamente o controle do governo federal. O brasileiro não quer ser escravo da ORCRIM, sob o risco crescente de totalitarismo e venezuelização. Até porque o único candidato que verdadeiramente apela ás massas é um político conservador, que, até o momento, nunca foi implicado em um único escândalo de corrupção sequer. Profundamente anti-establishment, tendo sofrido recentemente uma tentativa de assassinato em Minas Gerais, na cidade de Juiz de Fora, Jair Bolsonaro — o único candidato mais voltado à direta do diagrama político, todos os demais representam diferentes nuances de socialismo — surge como uma ponta de esperança para milhões de brasileiros que buscam sair do abismo de desolação consumado por anos de políticas esquerdistas. 

Portanto, se o PT vencer as eleições, o brasileiro não aceitará isso passivamente. Com certeza, haverá desejo de desforra, pois uma possível vitória da ORCRIM dará evidências de que a democracia no Brasil é uma dissimulação fraudulenta, onde a vontade da maioria não é respeitada. Com uma propaganda eleitoral que trabalha ostensivamente sobre uma campanha permanente de lavagem cerebral na população, o PT tenta conquistar o cidadão brasileiro com falácias e demagogias, como a de que Lula é um santo injustiçado, a de que ele foi preso sem provas, ou que não houve clientelismo corporativista durante sua gestão presidencial, entre tantas outras aberrações oportunistas, divulgadas com o objetivo de saturar com mentiras a atmosfera da política nacional, em nome de um projeto de poder, que o PT quer retomar a todo custo, de todas as formas e maneiras possíveis, matando, se necessário for, como pudemos verificar no recente atentado ao presidenciável Jair Bolsonaro, que — muito provavelmente — fora orquestrado pelo Foro de São Paulo. 

Sem dúvida nenhuma, o brasileiro está no seu limite. Não aguenta mais tantas depravações e bestialidades políticas, oriundas de criminosos disfarçados de benévolos e abnegados servidores públicos. O brasileiro está afoito por mudanças. Quer ver os criminosos na cadeia, pagando por seus crimes. A letárgica justiça brasileira, no entanto — sob os auspícios de um Supremo Tribunal deplorável e arrivista – impregnado com anos de politização escravagista, demonstra mordaz e subserviente condescendência para com a criminalidade política institucionalizada.

Mal sabem eles que estão alimentando um barril de pólvora. Se a conveniência crônica para com este status quo corrupto se prolongar — e se as urnas eletrônicas forem fraudadas para o PT vencer as eleições — as coisas ficarão muito difíceis no Brasil. E uma guerra civil será inevitável. É bom para o PT baixar a guarda. O cidadão brasileiro não os suporta mais. Se eles optarem por ignorar a realidade, a realidade, mais cedo ou mais tarde, baterá na porta deles. 

Compartilhe esse texto:

Sobre Mim

Sobre Mim

O Ultraconservador é um reacionário cristão antissocialista, anticomunista, antimarxista e antiestatista. Um indivíduo sem medo do establishment socialdemocrata ditatorial, corrosivo e totalitário. É colaborador de periódicos (jornais e revistas) e portais eletrônicos do Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo.