Blog

O Holodomor

O Holodomor

Atenção leitor, você sabe o que é Holodomor

Independentemente de sua resposta, precisamos abordar esta barbárie que ciclicamente assola o mundo de tempos em tempos. Um dos grandes problemas do Holodomor é não ser tão comentado, nem tão difundido ou divulgado quanto o Holocausto, com a possibilidade de ter sido tão ruim quanto, ou até mesmo pior. 

Com as estimativas de mortandade variando entre 2,5 e 7,5 milhões de vítimas, o Holodomor foi a grande fome que assolou a República Socialista Soviética Ucraniana, atual Ucrânia, entre 1932 e 1933. Isto mesmo, em 01 ano. A grande controvérsia que cerca o assunto Holodomor, neste caso, no entanto, são as origens e os possíveis motivos que levaram à sua causa: enquanto diversos estudiosos e especialistas no assunto afirmam que o Holodomor foi causado deliberadamente pelo Governo Soviético, como uma tentativa de erradicar o povo ucraniano, para sufocar o seu então ascendente nacionalismo, impedindo assim toda e qualquer tentativa de independência que eles por ventura viessem a reivindicar, no outro espectro da questão, estão aqueles que afirmam que o Holodomor não foi senão uma infeliz e desastrosa consequência das deficiências das políticas stalinistas de coletivização da agricultura, que obrigava todos os agricultores e produtores de alimentos a entregarem a sua produção para o Estado, que, por sua vez, efetuaria toda a distribuição. 

Uma das coisas que este segundo grupo argumenta – e até certo ponto estão certos – é que muitas outras repúblicas e regiões da União Soviética sofreram com a fome, entre estas, por exemplo, a República Socialista Soviética Autônoma da Moldávia, especialmente no período entre os anos de 1932 e 1933, e, tendo sido um desastre coletivo, e muito mais abrangente, portanto, não se limitou apenas à Ucrânia. A grande questão, no entanto, que parece preocupar os interessados na tragédia hoje é se o Holodomor cairia ou não nas atuais definições legais de genocídio

Não obstante, 25 países do mundo atualmente – entre eles a Ucrânia – reconhecem e classificam o Holodomor como um ato de genocídio. A palavra 'Holodomor' significa de fato 'Extermínio pela Fome', e hoje não restam dúvidas, à despeito das controvérsias que cercam suas causas e consequências, de que ela foi de fato produzida deliberadamente pelo esforço humano, e a ela estará permanentemente associada a expressão 'fome-causada-pelo-homem'. E as consequências do Holodomor na Ucrânia foram muito além, do que poderíamos classficar como meramente nefastas ou horrendas: as pessoas literalmente passaram a comer umas às outras, e relatos de canibalismo tornaram-se comuns no país. Até mesmo o Governo Soviético, ao ficar sabendo das horrendas consequências da fome em larga escala, começou a imprimir e espalhar cartazes, que diziam "Comer suas próprias crianças é um ato bárbaro!", e mais de 2.500 pessoas foram encarceradas, acusadas de canibalismo, durante o Holodomor. 

Em 2007, o então presidente da Ucrânia Viktor Yushchenko, não sem alguma repercussão, afirmou a criação de uma nova lei, criminalizando a negação do Holodomor. Em novembro de 2003, em uma cerimônia nas Nações Unidas, representantes de 25 países, incluindo Rússia e Estados Unidos, assinaram uma declaração oficial, que celebrava os 70 anos do Holodomor, e reconhecia o âmbito e a magnitude da tragédia. Não obstante, o Holodomor permanece sendo um tópico carregado de motivações políticas, ideológicas e nacionalistas, e cada lado da história defende a perspectiva que mais lhe convém. Uma coisa é certa: enquanto o Holocausto foi o trágico legado da Alemanha Nazista, por sua vez, o Holodomor foi o mórbido legado da União Soviética Stalinista. 

Artigo originalmente publicado na edição de abril de 2015 da revista Atualidades, de Santa Rosa (RS).  

Compartilhe esse texto:

Sobre Mim

Sobre Mim

O Ultraconservador é um reacionário cristão antissocialista, anticomunista, antimarxista e antiestatista. Um indivíduo sem medo do establishment socialdemocrata ditatorial, corrosivo e totalitário. É colaborador de periódicos (jornais e revistas) e portais eletrônicos do Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo.