Blog

Existe socialismo libertário?

Existe socialismo libertário?

Muitas pessoas desconhecem esse fato, mas existe uma corrente libertária de socialismo, que surgiu no final do século 19, entre socialistas que se opunham radicalmente à vertente convencional — autoritária — de socialismo. O socialismo libertário surgiu entre socialistas que perceberam que, dentro do movimento, existiam indivíduos mais interessados em arregimentar poder do que em lutar genuinamente pela causa dos trabalhadores. Adicionalmente, o germe burocrático do socialismo de estado, com uma estrutura hieráquica que permite abusos de poder, centralização e acúmulo de funções, entrava em conflito com os reais interesses de emancipação da classe proletária, que acabava sempre sendo negligenciada pelos dirigentes socialistas dentro da esfera burocrática do estado.    

Percebendo o enorme distanciamento que uma estrutura burocrática criava entre os gestores e o povo trabalhador, socialistas libertários passaram a promover o anarquismo social, para difundir a ideia de autonomia da classe trabalhadora. Eles perceberam que — com a existência de um estado — sempre existiria uma elite dirigente que teria poder sobre o resto da população. Tal organização política não emanciparia os trabalhadores, muito pelo contrário; os reduziria a condição de escravos nas mãos de uma poderosa elite dirigente — como há muito tempo professara Bakunin

Evidentemente, em um país como o Brasil, o socialismo libertário nunca teve a mesma adesão do socialismo tradicional. Isso porque ele nunca foi muito difundido, e sempre foi escarnecido, marginalizado pela sua condição de ideologia "utópica". Não obstante, é bem verdade que, se o socialismo convencional busca ativamente escravizar os individuos — deixando-os na condição de vassalos do estado —, o socialismo libertário tenta emancipá-los, de maneira que  todos os cidadãos sejam senhores soberanos de si mesmos, sendo livres para buscar a sua própria felicidade, de acordo com as suas habilidades e de acordo com o seu potencial pessoal. 

Os socialistas libertários contemporâneos defendem ativamente a democracia direta participativa e associações comunitárias descentralizadas de trabalhadores. Socialistas libertários — ao contrário dos socialistas estatistas coletivistas — defendem de forma intransigente a autonomia e as liberdades civis dos trabalhadores, vendo de forma negativa qualquer tentativa unilateral de usurpação de tais direitos por sindicatos vinculados a grandes corporações. 

Infelizmente, socialistas libertáros são uma diminuta minoria dentro do movimento socialista. Não mais do que um grupo de dissidentes, que luta arduamente contra o autoritarismo do socialismo convencional. Lamentavelmente, a maioria dos socialistas são coletivistas de estado, com enorme fetiche por um estado grande e controlador, que tenha plenos poderes sobre toda a sociedade. E devemos lutar ativamente contra essa torpe, pérfida e prejudicial ideologia política, custe o que custar. 

Compartilhe esse texto:

Sobre Mim

Sobre Mim

O Ultraconservador é um reacionário cristão antissocialista, anticomunista, antimarxista e antiestatista. Um indivíduo sem medo do establishment socialdemocrata ditatorial, corrosivo e totalitário. É colaborador de periódicos (jornais e revistas) e portais eletrônicos do Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo.